bviurnbgviubr

Tendências 2017: monitoramento ganhará novo foco e será mais vertical

Publicado por

Publicado a 20 de janeiro de 2017


O monitoramento de redes sociais já completou mais de uma década de utilização pelas empresas, mas apenas recentemente algumas delas perceberam que escutar as redes sociais é mais do que acompanhar o buzz sobre campanhas ou crises.

Nos últimos anos o monitoramento passou a fornecer dados para áreas tão distintas na empresa, como Marketing, Pesquisa e Desenvolvimento, Pesquisa de Mercado, Comunicação e Relacionamento com o Consumidor.

A exemplo disto, um grande fabricante de fraldas foi desafiado pelos consumidores a rever sua embalagem que apenas mostrava mães (e não pais). A embalagem nova veio da demanda dos consumidores. Nesta mesma década também já testemunhamos a criação e extinção de produtos e a destruição de campanhas que não estavam alinhadas com o que o consumidor esperava das marcas.

Ouvir as redes sociais nunca foi condição indispensável para entender qualquer tipo de negócio, mas pela primeira vez veremos as empresas realizarem um esforço para transformar os insights obtidos em melhorias em processos, produtos e serviços.

Para facilitar este trabalho, as empresas derrubaram paredes. Áreas separadas como Marketing e Relacionamento com o Consumidor foram unidas e os dados se tornaram o principal fomentador das mudanças.

Outra evolução esperada é a nova verticalidade do olhar do monitoramento de redes sociais. Duas verticais serão destaque: olhar sobre o consumidor e olhar sobre categorias ou públicos. Explicando melhor:

1) Olhar sobre o consumidor, que também chamamos de monitoramento focado no consumidor, é uma visão onde a marca não guia os dados obtidos, mas coleta-se tudo sobre um consumidor ou um público de interesse para conhecer o seu comportamento. Posso descobrir, então, o que compartilham as mães flamenguistas, os seguidores do Sucos do Bem ou os profissionais de social media. A partir daí posso ter várias aplicações, como interações personalizadas com um determinado público, aproveitar os seus momentos de vida como ganchos para interações ou mesmo insights sobre seu comportamento.

2) Olhar sobre categorias ou públicos é um olhar um pouco mais especializado e que envolve também fazer uma seleção prévia de quem se quer escutar. A diferença aqui é que podemos trocar consumidores por grandes temas, como páginas de Agronegócios, páginas de e-commerce ou de noticiosos no Facebook. Nessas páginas, ao contrário do monitoramento dos canais de marca, os temas não terão relação direta com a marca do cliente, mas poderão trazer insights interessantes para o negócio.

 

REFERÊNCIAS:
1. O que dizem as 100 maiores páginas de agronegócio no Brasil.
2. Uma radiografia do e-commerce brasileiro no Facebook.